terça-feira, 2 de dezembro de 2014

PEDIDO AO TEMPO.


Temo o tempo.
Temo o espaço e a noite.
Temo um dia da vida
levar um açoite!


Caminho sem destino
percorrendo a sós
um trilho cristalino
onde já não há um Nós!

A Luz que outrora brilhou
é agora sequiosa de claridade
baça do que a encantou
despida de lealdade!

O vento que entoou a canção
sopra agora notas sem melodia
que não tocam o coração
e o arrefecem a cada dia!

… tenho receio de ti!
Peço-te… corre depressa!
Afasta esta dor daqui,
enche-me de uma nova promessa!

Autor: Sandra Isabel (As Palavras não têm Sono)
reservado direitos de autor

Sem comentários: